SELO BLOG FM (4)

Categoria: Ambiental

29 cidades do RN estão sob aviso de chuvas, alerta Inmet

O AVISO JÁ ESTÁ EM VIGOR E VALE ATÉ ÀS 10H DESTE SÁBADO, 30. FOTO: REPRODUÇÃO

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), informou que 29 municípios que fazem parte da faixa litorânea da região leste do Rio Grande do Norte estão sob o aviso de chuvas. É esperado, de acordo com o aviso, chuvas de até 50 mm/dia.

Também foi alertado sobre a baixa probabilidade de alagamentos e pequenos deslizamentos em cidades com áreas de riscos.

O aviso já está em vigor e vale até às 10h deste sábado, 30.

Perigo potencial é o grau de severidade do alerta, que é considerado a legenda de menor risco, sendo representada pela cor amarela.

Algumas recomendações do Inmet:
Evitar o mau tempo; não usar aparelhos eletrônicos ligados à tomada durante as chuvas; e observar a alteração nas encostas.

As cidades no aviso são:
Arês; Baía Formosa; Brejinho; Canguaretama; Ceará-Mirim; Espírito Santo; Extremoz; Goianinha; Jundiá; Macaíba; Maxaranguape; Montanhas; Monte Alegre; Natal; Nísia Floresta; Nova Cruz; Parnamirim; Passagem; Pedro Velho; Pureza; Rio do Fogo; São Gonçalo do Amarante; São José de Mipibu; Senador Georgino Avelino; Tibau do Sul; Touros; Várzea; Vera Cruz; Vila Flor

Para mais detalhes, basta ligar para a Defesa Civil (199) ou para o Corpo de Bombeiros (193)

Com informações, Tribuna do Norte.

ALERTA: Marinha emite alerta de ondas de até 3,5 metros de altura em parte do litoral do RN

IMAGEM: REPRODUÇÃO/ILUSTRATIVA

A Marinha do Brasil emitiu neste domingo (17) um aviso de mau tempo, alertando sobre a ocorrência de ondas com 3 a 3,5 metros de altura de sudeste a leste na área oceânica entre Salvador (BA) e Touros (RN).

O Alerta é válido a partir das 12h deste domingo (17) até as 21h da quarta-feira (20).

A Marinha recomenda que as embarcações de pequeno porte “evitem a navegação” e que as demais redobrem a atenção quanto ao material de salvatagem, estado geral dos motores, casco, bomba de esgoto do porão, equipamentos de rádio e demais itens de segurança.

BG

Construção ecológica em meio a reservas naturais já é uma realidade no RN

FOTO-DIVULGAÇÃO

A construção ecológica já é uma realidade no Rio Grande do Norte. O conceito está relacionado a uma ocupação inteligente do espaço e tem como exemplo um empreendimento que acaba de ser finalizado na Grande Natal, onde residências vão integrar-se de maneira plena e harmônica com duas reservas de Mata Atlântica.

Trata-se do YBY Natureza, cujas obras foram iniciadas em 2018 no eixo Natal/Parnamirim com o argumento de ser o primeiro condomínio reserva do Estado, em razão dos quase 150 mil metros quadrados de área verde, que representam um terço da totalidade do empreendimento.

Com a conclusão e entrega aos proprietários, o YBY vai ser o endereço de 440 famílias, que além da vista para as reservas, vão poder usufruir de trilhas ecológicas e de outras iniciativas pensadas para provocar pouco impacto na paisagem, como a fiação subterrânea e o piso intertravado em todas as vias, além dos equipamentos de lazer.

O YBY Natureza foi idealizado pela Habitax Urbanismo, que reuniu grandes referências da arquitetura brasileira em sua concepção: o urbanista Fabiano Pereira, o paisagista Benedito Abbud e o arquiteto Leonardo Maia. Como explica Moisés Dantas, diretor da empresa de urbanismo, “o desafio foi justamente aproveitar todo o verde do espaço sem abrir mão da sofisticação”.

Moisés conta que o projeto foi bem recebido pelos potiguares, o que garantiu a rápida comercialização de mais de 90% dos lotes entre o lançamento e a entrega.

Para ele, dois fatores contribuíram positivamente para isso: a possibilidade de viver em meio a natureza e o conceito sustentável em torno do empreendimento, o que demonstra a atenção do mercado local com intervenções urbanas preocupadas com o Meio Ambiente e com o futuro.

EXCLUSIVO: CAERN tenta explicar “colapso” em Estação de Tratamento de Esgoto que soterrou manguezais, mas ambientalistas desqualificam explicações

MANGUEZAL SOFRE COM SISTEMA DA CAERN QUE ENTROU EM COLAPSO

(DA REDAÇÃO DO BLOG DO FM) – Depois que o BLOG DO FM denunciou, em primeira mão, na manhã desta terça-feira, 12, que a Estação de Tratamento de Esgoto Jaguaribe, ainda em obra, e que atenderá a zona norte de Natal, teve seu projeto de drenagem subdimensionado e não suportou as  chuvas fortes, entrando em colapso, a CAERN resolveu se pronunciar sobre o acontecimento e tentar esclarecer o que gerou a caótica situação na obra que a governadora Fátima Bezerra (PT) pretende inaugurar. No entanto, as explicações da CAERN, produzidas de forma simplória e que não se ateve a questão do prejuízo para os manguezais, foram desqualificadas por ambientalistas ponto-a-ponto. Segundo o coordenador do Movimento Ambientalista Mangue Vivo, Milton França, “o excesso de barro sobre o manguezal e o estuário vai agir como o vírus da Covid19, vai matar asfixiado os mangues que respiram pelas raízes”.

Vale salientar que até o momento nem o IDEMA, nem o Gabinete da Governadora se pronunciaram sobre o assunto, que parece ter características de desastre ambiental. O BLOG DO FM publica abaixo a nota original enviada pela CAERN, em sua íntegra.

A Caern esclarece que a Estação de Tratamento de Esgotos (ETE) Jaguaribe está em obras. No local possui uma tubulação de drenagem provisória. O volume de terra que aparece na imagem é um volume natural da movimentação da obra. 
Na semana passada um pequeno trecho do muro caiu com as fortes chuvas, mas já foi refeito. Também há outra parte do muro que ainda será refeita, sendo este junto de uma rua projetada pela Prefeitura. A Caern realizou contenções evitando o carreamento de material. Também está sendo feita a limpeza do excesso desse barro.

No entanto, após tomar conhecimento do posicionamento externado pela CAERN, o Movimento Ambientalista Mangue Vivo enviou para o BLOG DO FM uma análise, na qual, inclusive, adianta que a organização vai querer ver se a licença ambiental está atualizada, além de um novo e mais robusto, eficiente e ecológico sistema de drenagem da ETE e a aplicação das medidas de mitigação e compensação.

Seguem abaixo as considerações do Movimento Ambientalista Mangue Vivo desqualificando as “explicações da CAERN:

FOTOS FORNECIDA PELO MOVIMENTO VIVA O MANGUE
PARA AMBIENTALISTAS, OS ENORMES DANOS AMBIENTAIS JÁ OCORRERAM

“O Movimento Ambientalista Mangue Vivo esclarece e contrapõe pontos levantados na Nota da CAERN divulgada na imprensa hoje.

A tubulação provisória: A tubulação provisória de grosso calibre foi instalada inicialmente em 2020, nesse mesmo período chuvoso e é onde se lança maior quantidade de água contaminada por barro no manguezal e estuário. Com a denúncia sobre a existência dela e seus danos, a CAERN fingiu que desinstalou o sistema clandestino de macrodrenagem da ETE e, na verdade, fez colocar parte do sistema subterrâneo. O que era provisório tente a ser permanente e continuamente destruidor.

Contenções anticarreamento: As contenções são tardias e insuficientes. Os enormes danos ambientais já ocorreram. O excesso de barro sobre o manguezal e o estuário vai agir como o vírus da Covid19, vai matar asfixiado os mangues que respiram pelas raízes.

Limpeza do excesso do barro: A limpeza do barro está sendo desastrosa. Tiram muitas carradas de barro e lançam no lado alto e oposto, vizinho a ETE. Com a chuva, esse material está descendo e aterrando áreas de APPs, inclusive, manguezal. Parte do terreno aterrado é de uma construtora. A CAERN PODE ESTÁ, CONSCIENTEMENTE OU NÃO, NIVELANDO O TERRENO DA CONSTRUTORA.

Muro refeito: De fato um pequeno trecho de muro foi refeito. Era um ponto de carregamento de barro e outros materiais, de menor poder lesivo.

Os grandes pontos danosos: a grande tubulação e o aterro continuam lá, prontos para novo aterramento.

Queremos ver: a licença ambiental, inclusive, se está atualizada; um novo e mais robusto, eficiente e ecológico sistema de drenagem da ETE, com seu emissário paralelo ao de efluentes tratados; aplicação das medidas de mitigação e compensação, tantos as previstas em lei, quando as acarretadas pelos danos causados ao manguezal, ao estuário e aos que sobrevivem da pesca e coleta de mariscos.

As ponderações de ordem técnica da OnG ambientalista são assinadas pelo coordenador do Movimento Mangue Vivo, Milton França, que também é Conselheiro Titular no COMSAB e CONCIDADE 

FOTO: DIVULGAÇÃO

Healthtech lança embalagens reutilizáveis capazes de transportar materiais biológicos

NOVOS PRODUTOS TECNOLÓGICOS DA SHIELD COMPANY. FOTO: DIVULGAÇÃO/SHIELD COMPANY

Para evitar e dar mais segurança no manuseio e transporte de materiais biológicos (fluidos biológicos potencialmente contaminantes), a Shield Company Brasil, startup heathtech, lança, com exclusividade, os produtos Shield Box Bio e Shield Box Dry Ice + Bio, capazes de transportar seguramente o material biológico da categoria B (UN3373). São as únicas embalagens tecnológicas e reutilizáveis do mercado e seguem todas as recomendações da Organização Mundial da Saúde, ANVISA e em conformidade com a regulamentação da ANAC IS 175-012B para o transporte de produtos perigosos, estando aprovada em laboratório acreditado pelo INMETRO nos testes exigidos pela regulamentação da IATA/ICAO — PI650.


Com tecnologia de telemetria, para acompanhamento em real time, também pode mensurar a temperatura, variação de umidade, abertura ou danos físicos em decorrência de choques, sendo também um produto tecnológico.


“Desenvolvemos essas tecnologias para impulsionar toda a cadeia. Afinal, não será mais um risco aos profissionais que exercem atividades tão essenciais e importantes devido a contaminação. Já para o cliente B2B, traz economia e ao mesmo tempo contribui positivamente para a sustentabilidade. E para o paciente oferece a garantia de receber o diagnóstico no tempo necessário e sem risco de perda de material coletado. Nossa missão é salvar vidas e focar na sustentabilidade que essa nova tecnologia gera ao mercado”, destaca o CEO, David Bueno.


Um dos modelos de negócio para a sua comercialização é por aluguel, no qual o cliente paga uma taxa mensal, a partir de R$100/mês, e a embalagem pode ser reutilizada durante todo o período contratado, sendo descartado a cada envio somente a embalagem secundária por questão de segurança, que é onde os tubos com as amostras são transportados.


O padrão do mercado é utilizar embalagens descartáveis para esse tipo de transporte e que são descartadas 100% da embalagem itens como papelão, plástico e isopor, esse último sendo um material de difícil reciclagem e poluente. Na Shield Box, o descarte somente da embalagem secundária não representa nem 1% de todo o conjunto da embalagem, gerando economia e contribuindo para a sustentabilidade.

Shield Box Bio
É uma embalagem reutilizável de amostras biológicas e pode ser transportada por via aérea ou terrestre. Consegue transportar amostras na temperatura ambiente, entre 15ºC a 25ºC e de forma refrigerado, entre 2ºC a 8ºC. Sua autonomia de temperatura pode chegar até 150 horas, dependendo do perfil (verão ou inverno).

Shield Box Dry Ice + Bio
É uma embalagem reutilizável de amostras biológicas e pode ser transportada por via aérea ou terrestre. Consegue transportar amostras em temperatura baixa, entre -90ºC a -60ºC, com a utilização de gelo seco. Sua autonomia de temperatura pode chegar até 140 horas, dependendo do perfil (inverno ou verão), e com uma utilização de gelo seco baixíssima.

Onze pessoas continuam desaparecidas em Pernambuco

BAIRRO DE JARDIM MONTEVERDE, REGIÃO LIMÍTROFE ENTRE RECIFE E JABOATÃO DOS GUARARAPES, ATINGIDO PELAS FORTES CHUVAS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE-FOTO-TV BRASIL

As buscas por pessoas desaparecidas, após deslizamentos e enxurradas causados pelas chuvas em Pernambuco, foram retomadas nesta quarta-feira (1º) em seis áreas de buscas e resgates. O número de óbitos se mantém em 106. De acordo com o Comando e Controle Regional do estado (CICCR), 11 pessoas ainda não foram localizadas.

As forças de segurança pública e defesa social já tem os nomes de nove das 11 pessoas ainda não localizadas. As outras duas têm, por base, “relatos imprecisos” que dificultam a identificação.

As chuvas que resultaram na situação assolam o estado desde o dia 25 de maio. Segundo o centro de comando, 403 profissionais – na maior parte, bombeiros e integrantes da Defesa Civil e militares das Forças Armadas – estão na região, reforçando as ações de busca.

“Ontem, a Defesa Civil do estado foi comunicada do desaparecimento de um senhor de 70 anos em um sítio, localizado na Zona Rural de Limoeiro (Agreste do Estado), onde houve um deslizamento de terra. De imediato, as buscas foram iniciadas. Além desses locais, há atuação ainda em Jaboatão Centro e Paratibe (Paulista), onde duas pessoas teriam sido levadas pelas enxurradas”, informou o CICCR.

Ainda segundo o centro de controle, dos nove desaparecidos identificados, três estariam na Vila dos Milagres (Barro) e o restante em Limoeiro (1), Curado IV (2), Areeiro (1), Paulista (1) e Jaboatão Centro (1).

O Instituto de Medicina Legal do Recife já periciou praticamente todas as 106 vítimas resgatadas. “Na manhã de hoje, apenas sete vítimas estão para liberação, o que deve ocorrer nas próximas horas. São questões, na maior parte, relativas a documentos que estão sendo trazidos pelos parentes”, informou, em nota o comando.

Em nota divulgada ontem, a Central de Operações da Coordenadoria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe), informou que cerca de 6,2 mil pessoas estão desabrigadas, número que foi alcançado após as chuvas moderadas registradas nas primeiras horas da madrugada de ontem (31). Os locais que apresentaram maiores volumes foram Goiana (65 mm), Cabo de Santo Agostinho (63 mm), Paulista (35 mm) e Recife (30 mm).

Chuvas em Pernambuco já deixaram 44 mortos e quase 4 mil desabrigados; 56 pessoas estão desaparecidas

Foto: Pedro de Paula/Código19/Estadão Conteúdo

Equipes do Ministério do Desenvolvimento Regional enviadas a Pernambuco para acompanhar a situação do estado após as fortes chuvas informaram que, até a manhã deste domingo (29.mai), os deslizamentos e enchentes na região deixaram 44 mortos e 3.957 desabrigados. Além disso, há ainda 56 pessoas desaparecidas, cinco feridas e 553 desalojadas.

Ainda conforme a pasta, enviados da Defesa Civil nacional vão permanecer no estado para auxiliar autoridades locais.

Embora as chuvas tenham cessado momentaneamente, há previsão de mais precipitações nos próximos dias. Por isso, as autoridades afirmam ser necessário manter as medidas de proteção e pedem que a população respeite os alertas para deixar locais de risco.

SBT News

Governo Federal envia equipes e recursos para socorrer vítimas das chuvas em Pernambuco e Alagoas

MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL, DANIEL FERREIRA.FOTO-REPRODUÇÃO

O Governo Federal está atento às fortes chuvas na região nordeste. Nesta madrugada, a situação em Pernambuco se agravou e já passa de 35 o número de mortes. O Ministério do Desenvolvimento Regional acionou as Forças Armadas para prestar apoio aos municípios. Além disso, a Secretária Nacional de Defesa Civil está em Pernambuco com uma equipe de técnicos no sentido de prestar auxílio para que o reconhecimento federal da situação de emergência seja publicado o quanto antes, possibilitando o início das liberações de recursos.

“O MDR conta com cerca de R$ 1 bilhão para ações de socorro, assistência e restabelecimento de serviços essenciais eventualmente interrompidos, oriundos de duas medidas provisórias assinadas pelo Presidente da República”, destacou o ministro Daniel Ferreira.

Após a estiagem, os recursos também podem ser utilizados para reconstrução de infraestruturas públicas e casas eventualmente destruídas em razão das chuvas. Segundo o ministro, por determinação do presidente Jair Bolsonaro, a equipe do MDR permanecerá em Pernambuco pelo tempo que for necessário para auxiliar os municípios.

Na sexta (27), o próprio Ministro do Desenvolvimento Regional sobrevoou os municípios atingidos em Alagoas, outro estado nordestino que também está sendo castigado pelas fortes chuvas.

Já foi publicado o reconhecimento federal da situação de emergência de 13 municípios daquele estado. São eles: Feliz Deserto, São Miguel dos Campos, Traipu, Maceió, Barra de São Miguel, Boca da Mata, Coité do Nóia, Coruripe, Roteiro, Rio Largo, Penedo, Santa Luzia do Norte e Marechal Deodoro.

O Ministro anunciou uma primeira liberação de recursos no valor de R$ 2,5 milhões para ações de socorro e assistência humanitária (colchões, kits de higiene, cestas básicas, água, etc) para os dois municípios mais atingidos. “Vamos permanecer auxiliando na elaboração de planos de trabalho e nos próximos dias haverá mais liberações de recursos”, garantiu Daniel Ferreira.