SELO BLOG FM (4)

Categoria: Economia

Chuvas e bloqueio na BR-304 vão interferir em preços nos supermercados do RN, diz Assurn

FOTO: GETTY IMAGES

O desabamento da ponte na BR-304, na altura do município de Lajes, vai acarretar no aumento dos preços nos supermercados no Rio Grande do Norte. A informação é do presidente da Associação dos Supermercados do estado (Assurn), Mikelyson Góis. O motivo será o aumento do frete e a consequente dificuldade no abastecimento de certos produtos.

Segundo o presidente da Assurn, não é possível apontar qual será o encarecimento percentual dos produtos, já que o frete varia de acordo com o produto, com a forma como os supermercadistas fazem a compra e a periodicidade das entregas. Contudo, a tendência é que os pequenos comerciantes sintam mais os reflexos, já que os pequenos fornecedores, em tese, também sentem mais os efeitos do aumento das distâncias (e consequentes custos) para os fretes.

“Não sei mensurar quanto vai ser o impacto, mas que vai, vai. Principalmente porque aquela área de Mossoró e cidades vizinhas são produtoras de muitas frutas e compramos de lá. Então, com as chuvas, há área de alagamento e já prejudica a produção, havendo a diminuição da oferta e naturalmente já afeta nos preços. Sem contar nem com a logística. Com a interrupção, será um desvio de mais de 100km, então tudo será levado em conta. Talvez não hoje ou amanhã, mas nessa semana haverá a diferenciação nos preços desses produtos”, explicou o presidente da Assurn.

Até o momento, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Trânsito (Dnit) não estimou quanto tempo será necessário para liberação do trecho da BR-304. Segundo a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn), as chuvas de março foram 45% maior do que a média esperada para o mês no estado.

Tribuna do Norte

Refeição por quilo sobe 40% desde 2020 ante inflação de 29% no período

FOTO: GETTY IMAGES

O preço médio do self-service por quilo aumentou 40,84% entre janeiro de 2020 e fevereiro deste ano em São Paulo. No mesmo período, o Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC), do IBGE, registrou avanço de 29,38%. Além disso, de fevereiro de 2023 a fevereiro de 2024, a variação média para este tipo de refeição foi de 7,64%. A inflação no mesmo período ficou em 4,66%, também segundo o INPC-IBGE.

Os dados fazem parte da nona edição da pesquisa de preços de refeições feita pelo Procon-SP, com base em uma amostra de 350 restaurantes da capital paulista. Ela constatou, em fevereiro deste ano, um preço médio de R$ 80,32 do quilo nos estabelecimentos que foram alvo da análise.

O levantamento, realizado em parceria com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), coletou os preços médios praticados para os tipos de refeições mais comuns. São eles o self-service por quilo, o self-service com preço fixo, o prato executivo de frango e o prato feito, o popular “prato do dia”.

O preço médio do prato feito aumentou 2,82% entre outubro do ano passado e fevereiro deste ano. A maior variação ocorreu no centro (9,27%). Entretanto, o valor médio mais alto foi encontrado na região oeste de São Paulo.

Em um ano, o preço médio do prato feito sofreu variação de 7,98%. Em fevereiro do ano passado, ele era de R$ 27,31. No mesmo mês de 2024, foi para R$ 29,49. O aumento, observa o Procon-SP, foi maior que o INPC-IBGE, de 4,66% para o período.

Metrópoles

Pequenos negócios potiguares acumulam 2,4 mil vagas geradas no primeiro bimestre

FOTO: REPRODUÇÃO

As micro e pequenas empresas continuam determinando as configurações do mercado de trabalho no RN. Nos dois primeiros meses do ano, os pequenos negócios foram responsáveis por abrir 2.466 novas vagas, ultrapassando o saldo geral de empregos no primeiro bimestre, que foi de 1.463 novos empregos gerados. Somente em fevereiro, o segmento criou 958 novas frentes de trabalho com carteira assinada, volume bem acima do saldo geral de vagas no RN no segundo mês do ano, 283 vagas.

As informações estão no Mapa do Emprego do RN, publicação elaborada pelo Sebrae no Rio Grande do Norte, que nesta edição apresentada os dados do mercado de trabalho potiguar no segundo mês do ano a partir dos números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de fevereiro, divulgados na quarta-feira (27).

O volume de novos trabalhadores contratados nas micro e pequenas empresas no primeiro bimestre é 4% maior se comparado com o montante de vagas acumuladas no mesmo período do ano passado, quando os pequenos negócios do estado geraram 2.366 empregos formais.

De acordo com o informativo do Sebrae, nesse mesmo intervalo, às grandes empresas acumulam saldo de 96 vagas abertas, enquanto a abertura de novos postos de trabalho nas médias empresas registrou déficit de vagas. Foram perdidos 1.099 empregos nas empresas desse porte. Por isso, o saldo geral de empregos no estado no bimestre foi de 1.463 postos de trabalho criados, quantitativo que representa um aumento de 1.119% em relação ao primeiro bimestre de 2023.

Em fevereiro, o total de novas vagas abertas no estado somam apenas 283 novos empregos. Um recuo de 37% no comparativo com fevereiro do ano passado. O volume é o resultado de 17.527 admissões contra 17.244 desligamentos no mesmo mês.

A maior parte das oportunidades geradas no segundo mês do ano ocorreu no setor de serviços, que abriu 1.128 novos empregos, sendo 193 deles na área de educação básica (ensino fundamental). Por outro lado, o setor agropecuário apresentou resultado negativo. Foram 1400 vagas encerradas nesta atividade.

O comércio encerrou fevereiro com um saldo de 335 vagas abertas, Com destaque para o comércio varejista de mercadorias em geral, sobretudo produtos alimentícios. A indústria obteve um saldo de 208 vagas, enquanto que o saldo na construção civil foi de 12 vagas criadas no mês.

O Mapa do Emprego do RN mostra que a maioria das vagas criadas no estado foi aberta na capital, que abriu 710 novos postos de trabalho em fevereiro deste ano. A geração de novas oportunidades de trabalho também foi positiva em Parnamirim, com 204 vagas, Currais Novos (184 empregos), São José de Mipibu (91 vagas) e Alto do Rodrigues, que registrou um saldo de 64 empregos.

No ranking dos municípios que fecharam postos de trabalho em fevereiro, a primeira posição ficou com Apodi. A principal cidade do Meio Médio Oeste Potiguar terminou fevereiro com um déficit de 374 empregos, assim como Baraúna, que perdeu 227 vagas. Mossoró, Parelhas e São Gonçalo do Amarante também tiveram perdas: 189 vagas, 140 empregos e 100 postos, respectivamente.

Tribuna do Norte

Preço de medicamentos aumenta até 4,5% a partir de domingo (31/3)

FOTO: GETTY IMAGES

O governo federal publicou no Diário Oficial da União (DOU) a autorização para aumento de até 4,5% de medicamentos. As empresas poderão ajustar os preços a partir de domingo (31/3) e tem até 15 dias para fazer a alteração.

O aumento tem como base o modelo de teto do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). As farmácias e drogarias, assim como laboratórios, distribuidores e importadores, não podem cobrar pelos medicamentos preço acima do permitido pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED).

Em termos numéricos, o aumento é o menor desde que teve início a pandemia de Covid-19, em março de 2020. Naquele ano, o reajuste foi de 4,08%, mas ainda não havia sido impactado pela pandemia.

A resolução não distinguiu o aumento entre as três faixas (Nivel I, II e III) como já ocorreu em anos anteriores.

O governo determina ainda que as farmacêuticas deverão dar ampla publicidade aos preços de seus produtos, por meio de publicações em mídias especializadas de grande circulação. Além disso, as lojas deverão manter à disposição dos consumidores e dos órgãos de proteção e defesa do consumidor as listas dos preços de medicamentos atualizadas.

A lista de preços máximos permitidos para a venda de medicamentos é disponibilizada para consulta dos consumidores e é atualizada mensalmente.

Petrobras vai instalar turbinas na costa do RN e RJ para testar a geração de energia eólica offshore

FOTO: PAULO PINTO

A Petrobras vai instalar dois aerogeradores até 2029 para testar a geração eólica offshore na costa do Rio Grande do Norte e do Rio de Janeiro como parte das iniciativas de pesquisa e desenvolvimento (P&D), segundo o diretor executivo de transição energética, Maurício Tolmasquim. Em paralelo, a companhia já tem quatro projetos comerciais em análise nas instâncias internas de governança, em preparação para concorrer quando o governo realizar o leilão de cessão de áreas para esse segmento.

“Queremos instalar dois aerogeradores para ganhar experiência, analisar, se preparar”, disse Tolmasquim a jornalistas durante o Offshore Wind Summit, no Rio, nesta terça (26/3). A empresa já iniciou conversas com a Secretaria de Patrimônio da União (SPU) para o acesso às áreas. No Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais (IBAMA), a Petrobras ingressou com pedidos para iniciar o processo de licenciamento ambiental de dez áreas no mar brasileiro com forte potencial para desenvolvimento futuro de projetos de energia eólica offshore, sendo três no Estado do Rio Grande do Norte.

A companhia pretende instalar os projetos Costa Branca I (1,45 GW), Costa Branca II (2,10 GW) e Ginga (1,06 GW), passando pelo mar de municípios como Galinhos, Guamaré, Macau, Porto do Mangue e Areia Branca. A companhia planeja investir US$ 5,2 bilhões em eólica e solar até 2028.

No caso do Sudeste, o local selecionado pela Petrobras para o projeto de P&D está próximo ao Porto do Açu (RJ) e coincide com uma das áreas em que a Petrobras iniciou o licenciamento no Ibama para desenvolver esses projetos.

O diretor explicou que a companhia pretende conversar com fornecedores para trazer ao país a maior turbina disponível para os testes. O valor destinado a esse projeto vai sair das verbas de P&D previstas no plano de negócios da estatal. O plano de investimentos 2024-2028 da Petrobras, anunciado em novembro do ano passado, prevê US$ 3,6 bilhões para pesquisa, desenvolvimento e inovação em cinco anos.

Ao todo, a Petrobras tem pedidos no Ibama para licenciar o desenvolvimento de 30 gigawatts (GW) de eólicas offshore na costa brasileira, sendo que cerca de 7GW fazem parte de uma parceria com a Equinor.

Segundo Tolmasquim, a companhia iniciou a tramitação de quatro projetos comerciais nas áreas internas de governança para acelerar as análises para participar do leilão. Dois projetos estão em áreas no Nordeste, um no Sudeste e um no Sul.

“Temos desejo de participar do primeiro leilão de cessão de áreas, mas para isso é necessário ter estudo, uma análise preliminar, para quando ocorrer o leilão estarmos preparados”, afirmou.

Durante participação no evento, Tolmasquim destacou que acredita que o marco legal para o setor em tramitação no Senado está “razoável”, mas criticou as emendas acrescentadas ao projeto de lei que não tratam do tema das eólicas offshore.

“Isso é bastante lamentável e é o que está impedindo que já se tenha um marco regulatório para esse setor no Brasil”, afirmou.

Segundo o diretor, outros desafios para o desenvolvimento de projetos de geração eólica offshore no Brasil são a falta de um planejamento espacial marítimo e de um planejamento da rede de transmissão para acomodar os novos projetos. Além disso, o diretor também citou o licenciamento ambiental e a infraestrutura portuária como questões que vão demandar adaptações para que os projetos avancem.

“O principal desafio é saber qual é o modelo de negócios e, se ele depender de alguma política governamental, vamos ter que ter essa política”, disse. A cadeia de suprimentos é outro ponto de preocupação. “Muita coisa vai ter que vir de fora, mas outras vão ter que ser feitas aqui também”, afirmou.

Offshore no RN

O Ibama já recebeu 14 pedidos de licenciamento para a instalação de complexos eólicos offshore o litoral potiguar. Eles devem ser desenvolvidos na próxima década e resultar, segundo prevê a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico (Sedec/RN), investimentos na ordem de R$ 60 bilhões. Pela última atualização de processos de licenciamento ambiental de eólicas offshore abertos no Ibama até 18 de janeiro de 2024, os 14 parques somam um potencial para gerar 25,4 GW (GigaWatts). Eles se estendem pelo litoral Norte do Estado, entre as regiões onde ficam os municípios de Touros e Areia Branca.

Projetos da petrobras no IBAMA RN

Costa Branca I – empresa Petroleo Brasileiro s/a – Petrobras – potência 1.4 GW

Costa Branca II – empresa Petroleo Brasileiro s/a – Petrobras – potência 2.1 GW

Ginga – empresa Petroleo Brasileiro s/a – Petrobras – Potência 1 GW

US$ 3,6 bilhões é quanto prevê o plano de investimentos 2024-2028 para pesquisa, desenvolvimento e inovação em cinco anos

Tribuna do Norte

IPCA-15: preço da cebola dispara; veja os vilões da inflação de março

FOTO: ILUSTRAÇÃO

Os produtos do grupo de “Alimentação e bebidas” foram os grandes vilões do IPCA-15, considerado a prévia da inflação oficial do país, divulgado nesta terça-feira (26/3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Eles registraram uma alta de 0,91%. Entre os itens que compõem esse núcleo, o maior destaque ficou com a cebola, que disparou 16,64%.

A alimentação no domicílio subiu 1,04% em março. Além da cebola, contribuíram para esse resultado as altas do ovo de galinha (6,24%), das frutas (5,81%) e do leite longa vida (3,66%). Outros itens apresentaram queda, como a batata-inglesa (-9,87%), a cenoura (-6,10%) e o óleo de soja (-3,19%).

A alimentação fora do domicílio (0,59%) acelerou em relação ao mês de fevereiro (0,48%), como resultado da alta mais intensa da refeição (0,35% em fevereiro para 0,76% em março). O lanche (0,19%) registrou variação inferior à registrada no mês anterior (0,79%).

No grupo “Transportes”, que aumentou 0,43%, houve queda na passagem aérea (-9,08%), que registrou o maior impacto negativo (-0,07p.p.) no mês. Por outro lado, a gasolina (2,39%) teve o maior impacto positivo (0,12 p.p.). Em relação aos demais combustíveis (2,41%), houve alta nos preços do etanol (4,27%), enquanto o gás veicular (-2,07%) e o óleo diesel (-0,15%) registraram queda. O subitem táxi apresentou alta de 0,61% devido ao reajuste de 8,31% em Belo Horizonte (6,04%), a partir de 8 de fevereiro.

Ainda em “Transportes”, a variação do ônibus intermunicipal (0,71%) foi influenciada por reajustes no Rio de Janeiro (6,69%), a partir de 24 de fevereiro; e em Curitiba (6,41%), a partir de 5 de fevereiro. No subitem trem (-1,00%), houve redução de 4,05% nas tarifas no Rio de Janeiro (-2,20%), a partir de 2 de fevereiro.

Metrópoles

Após aumento, gasolina sobe em Natal e pode ser encontrada por R$ 6,39

FOTO: THALLES IKARO

O litro da gasolina já pode ser encontrado em Natal (RN) no valor de R$ 6,39 em alguns postos da capital esta semana. Apesar de haver outras variações de valores pela cidade como R$ 6,08, R$ 6, 18, conforme informações do Procon Natal, muitos postos nesta segunda quinzena de março estão repassando o aumento que houve na última quinta-feira (21). A gasolina passou de R$ 3,02 para R$ 3,25 na refinaria. Segundo os dados levantados pelo órgão, referentes à primeira quinzena de março, o preço da gasolina comum estava sendo praticado a R$ 6,08 em alguns lugares, com média geral de preços de R$ 6,23 e o menor preço era R$ 5,74. A média no mês de fevereiro ficou em R$ 6,26.

“O Procon Natal tem um departamento de fiscalização. Essa equipe tem uma programação ,não só dos postos de combustíveis, mas de todos os segmentos do comércio. Muitas vezes, a gente recebe a denúncia e insere nessa programação, onde as equipes vão aos postos. Se constatarem alguma irregularidade, como a divergência entre o preço que está exposto e o que está na bomba ou algum outro tipo de abusividade, esse posto será notificado ou autuado”, afirmou Ana Paula Pereira, agente fiscal do Procon Natal.

Ponta Negra News

Puxada por venda de óleos, exportações crescem 23,3% e RN termina 1º bimestre em superávit

FOTO: JOSÉ ALDENIR

Com um aumento de 23,3% nas exportações do Rio Grande do Norte em janeiro e fevereiro em comparação ao mesmo período do ano anterior, o que impulsionou o crescimento do número foram as vendas de óleos combustíveis, segundo o responsável técnico do Centro Internacional de Negócios (CIN) da Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (Fiern), Luiz Henrique Guedes.

O bimestre ainda terminou com um superávit de US$ 54,9 milhões, valor que representa a diferença entre o valor de exportações, que foi US$ 137 milhões, e o de importações, que foi de US$ 82,1 milhões. No entanto, o número que representa os dois primeiros meses de 2024 foi ainda menor que o valor do mesmo período de 2023, um superávit de US$ 72,9 milhões, US$ 17,9 milhões maior que em 2024. Os dados são do Centro Internacional de Negócios (CIN), da Fiern.

Óleos combustíveis, melões, melancias, açúcar e sal foram, respectivamente, os produtos com maiores valores exportados, de acordo com uma pesquisa feita pela Fiern. Porém, se desconsiderado o valor que os óleos combustíveis representam, houve uma queda de 0,6% na soma dos outros produtos exportados pelo estado. Somente os óleos combustíveis tiveram um aumento de 111,8% em comparação com os primeiros meses de 2023, além de representarem 36,5% do total exportado pelo RN, significando um valor total de US$ 50 milhões em vendas de óleos combustíveis.

Só em fevereiro de 2024, as exportações de melão cresceram 29,8% em relação ao segundo mês do ano passado. No entanto, para janeiro e fevereiro, em comparação com o mesmo período em 2023, houve uma retração de 2,4%, motivada pela intensidade de chuvas, de acordo com Guedes.

“Os meses de janeiro e fevereiro, nos quais as exportações de melões tiveram uma pequena queda, são a parte final da safra iniciada em agosto do ano passado, que apresenta crescimento de 11,8% até o presente. Essa redução no início do ano deve-se às fortes chuvas que afetaram a durabilidade das frutas e, portanto, as exportações diminuem. A safra se prolonga até o fim de março e início de abril”, relatou.

Para o economista Janduir Nóbrega, o estado já pode esperar uma evolução no crescimento, especialmente quando se fala sobre óleos combustíveis. “No cenário de petróleo e gás e lubrificantes, o mercado do RN tem apresentado uma evolução de crescimento, o que possivelmente deve acontecer por mais um tempo, à medida que as empresas produtoras do petróleo têm aumentado a sua produção. Então isso vai continuar, ou seja, uma faixa maior de participação na exportação do Rio Grande Norte para esses produtos”, disse.

Ele também cita que, com a expectativa de aumento de exportação, existe uma possibilidade de crescimento da produção e de geração de empregos. “Quanto mais vender para fora, mais benefício vai gerar aqui no estado, porque consequentemente, para aumentar a produção precisa aumentar a força de produção, que é a contratação, a geração de renda, gera novos empregos, então o aquecimento da balança comercial leva a isso”, relata.

O economista caracterizou, ainda, o Rio Grande do Norte como um estado “ligeiramente pobre”, isso porque, segundo ele, o RN tem um grande potencial de produção, mas não é o que reflete nos indicadores econômicos. “90% da produção de sal marinho do Brasil é no estado do Rio Grande do Norte, a fruticultura irrigada tem a terceira maior do Brasil, o RN é o maior exportador de carcinicultura do país. A gente tem toda essa riqueza sendo trabalhada, mas ainda não aparece no estado, nos indicadores econômicos, na geração do Produto Interno Bruto do RN. Nós temos o potencial de exportação, de produção de diversos segmentos. A gente tem problema portuário, tem problema aeroviário, tem problema rodoviário e todas essas dificuldades em infraestrutura faz com que um estado promissor em desenvolvimento tenha o seu processo [de crescimento] mais lento do que deveria ser, na ótica da economia”, concluiu.

No entanto, não são só as exportações que podem trazer um impacto para a economia potiguar. De acordo com o responsável técnico do (CIN/Fiern), as importações dos geradores de energia eólica também podem somar à expansão da atividade no estado. “Em 2023, predominaram as importações de painéis solares. Quanto às importações de gasolina e diesel, fazem parte de movimentos de mercado que atendem à necessidade de suprimento, uma vez que o Brasil importa cerca de 30% do que consome desses combustíveis. O trigo é um item tradicional da pauta de importação do RN e vem atender às indústrias processadoras, que abastecem o mercado de farinha de trigo utilizada em muitos produtos”, disse.

Mas quando se fala em expectativas de exportação, Guedes menciona que o RN pode esperar ainda mais impactos de vendas para fora de óleos combustíveis, porém, para a safra de melões e melancias, o retorno deve se dar somente em agosto. “Considerando a grande diversificação da pauta, é difícil fazer uma projeção geral, mas as exportações de óleos combustíveis devem continuar impactando a pauta em função dos altos valores envolvidos”, finalizou.

Agora RN